setembro 2008 Archives

David Catarino em ensaio expletivo

Hoje, na sessão da assembleia municipal, David Catarino disse: “cá chamam outra coisa aos gays”. Dito isto, uns quantos dos presentes sorriram e, sinceramente, não percebi porquê. É que, por ser ordinária, tão ordinária, tal revelação - se revelação tentou ser - nada tem de extraordinário. Como é sobejamente sabido, cá a outra coisa que chamam aos gays é homossexual.

Política de (boa) vizinhança

| Sem Comentários
Continua a dança da pertença associativa do município de Ourém. Hoje foi aprovada a sua integração na comunidade urbana do Médio Tejo, associação a que, no âmbito de outro enquadramento jurídico, Ourém já pertenceu, antes da adesão (exclusiva) à área metropolitana de Leiria. Mas não é isto que merece destaque. O que merece destaque é o facto de, no âmbito do processo de clarificação dos limites geográficos de Ourém e de vários municípios circundantes, ter nascido a «ideia» de estabelecer protocolos de cooperação intermunicipal, com vista a permitir que as pessoas de determinadas localidades de um município possam utilizar equipamentos de outro, beneficiando, assim, do efeito de acessibilidade ou proximidade, sem o estorvo das fronteiras administrativas. A «ideia» nasceu tarde - e, segundo o presidente da câmara municipal, foi casual, no sentido em que não resultou de uma orientação estratégica -, mas mais vale entrar agora na senda da concertação eficaz entre municípios vizinhos do que mais tarde ou nunca. É provável que o processo não seja simples, que seja necessário negociar e estabelecer planos de cooperação e contrapartidas entre as partes. Ainda assim, se tais protocolos forem concretizados, mesmo que pontuais ou em relação a equipamentos específicos, seguramente que resultarão benefícios mútuos, ao nível tanto da qualidade de vida das pessoas quanto do aproveitamento dos recursos autárquicos.

Uma história com papel higiénico

| 6 Comentários
Em Ourém, uma sessão da assembleia municipal é uma sessão da assembleia municipal. Ou seja, nem se sabe bem como começa nem se sabe bem como acaba. Relativamente ao quando é a mesma coisa. O tempo é português. Nesta oportunidade, porque hoje realizou-se uma dessas sessões, uma nota.
Havendo várias dezenas de oureenses presentes, o período reservado à intervenção do público foi antecipado para o início da sessão. Falaram três porta-vozes, representando os encarregados de educação das escolas de Casal dos Bernardos, do agrupamento de escolas da Freixianda e da escolas de Rio de Couros. O que estava em causa era o transporte das crianças do pré-escolar e do primeiro ciclo do ensino básico, assim como o custo de tal transporte. Surpreendeu-me uma intervenção, não apenas por focar várias questões concretas - para além da tal dos transportes -, mas por as focar sob uma perspectiva que interpelava as prioridades políticas do município e, portanto, a sua afectação de verbas à educação. A intervenção foi de um civismo e de uma civilidade exemplares, não obstante a contundência. Tenho pena de não ter registado o nome da senhora, para o poder escrever aqui. Retive apenas a condição em que fez a sua intervenção, a de representante dos encarregados de educação do agrupamento de escolas da Freixianda. Proposta uma reacção a David Catarino, ele começou por dizer que tinha havido uma intervenção - a tal - que não merecia resposta, mas que, ainda assim, ia falar. Não lhe bastando esta consideração, David Catarino embalou o discurso, derrapando para considerações acintosas e ofensivas, declarando que a autora da intervenção referida não saberia escrever as palavras que tinha acabado de ler, que ela tinha feito uma intervenção «encomendada» e que tinha que ser ali «desmascarada». Perante o excesso de David Catarino e os termos em que o fez, o público vaiou-o. Faço notar que, embora contrários à ordem regimental da assembleia municipal, os apupos foram merecidos por ele. A consequência foi que, sentindo-se, David Catarino decidiu calar-se. Em face disto, Deolinda Simões tentou apaziguar a situação. Mas acabou por fazê-lo de modo infeliz. Primeiro invocou a necessidade de as pessoas dialogarem com os autarcas e os serviços municipais e de os presidentes de junta de freguesia mediarem tal diálogo. Até aqui tudo bem. O problema surgiu depois, quando começou a doutrinar, dirigindo-se ao público presente e dizendo que, para tratar os seus problemas, devia evitar palavras «arrogantes» e «agressivas» e ter humildade. Ora aconteceu que, qualquer que tenha sido a intenção de Deolinda Simões, o seu discurso não foi acolhido sem resposta, havendo uma pessoa da assistência que, desarmando-a, lhe fez notar que ela devia estar a dirigir aquelas palavras ao presidente da câmara municipal, por ter sido ele a exorbitar nas considerações feitas. O resultado disto foi que, pouco depois, David Catarino tentou explicar o que estava a suceder com o transporte escolar. No entanto ficaram algumas perguntas sem resposta. O que fez com que Deolinda Simões tentasse voltar a ter um papel conciliador, comprometendo-se a envidar esforços no sentido de realizar uma sessão de esclarecimento, com vista a informar melhor as pessoas e a resolver os casos expostos, para o que tornou também a pedir o contributo dos presidentes de junta de freguesia. Neste ponto, uma observação. Não custa admitir que uma parte das pessoas que se manifestou - não foram poucas - possam não estar informadas ou ter uma expectativa distorcida em relação aos seus direitos e aos dos seus filhos. Segundo afirmou David Catarino, o município só tem obrigação de assegurar o transporte gratuito das crianças cuja morada diste mais de três quilómetros da escola. Este é um dos lados do problema. O que não impede que se pergunte por que é que, para além da sua obrigação estrita, o município - e as freguesias - não asseguram também o transporte gratuito às outras crianças que dele necessitam. Importa custos? Importa. Justifica-se? Obviamente, se entender-se que a integração pré-escolar e escolar é um direito e um investimento social, não um desperdício. Neste sentido, convém não esquecer que há outros lados do problema, relacionados com o preço cobrado pelo transporte - vinte e dois euros por mês -, com o trajecto dos autocarros e com o transporte das crianças para o refeitório à hora de almoço. Não obstante as alterações que tenham ocorrido entre o final do ano lectivo passado e o início do ano lectivo presente - como o encerramento de algumas escolas, por exemplo -, se houvesse no município de Ourém uma cultura de serviço público, e não de favor ou de frete, todas estas questões deveriam ter sido acauteladas e esclarecidas a tempo e horas pelos serviços municipais, junto das escolas e dos encarregados de educação. O que significa que o «queixume das pessoas» que Deolinda Simões disse ter testemunhado desde o seu gabinete aquando o arranque do ano lectivo presente deve-se em grande medida a tal falta de zelo e de disponibilidade para servir os munícipes. Que raio, afinal não é para isso que existe o município?
Post scriptum. Em Ourém há infantários e escolas em que o papel higiénico é fornecido pelos encarregados de educação. David Catarino disse que já ouviu falar do assunto e que a responsabilidade é das freguesias, para as quais o município transfere verbas. Não sei. Sei apenas que, considerando todas as dificuldades e todas as limitações orçamentais das autarquias locais - município e freguesias -, tal facto é uma vergonha. Não uma vergonha no sentido simbólico, por ser um pormenor. Não. É uma vergonha autêntica. Que ninguém com responsabilidade política local a evite é uma vergonha maior.

Aeroporto Regional de Fátima & Base Aérea de Monte Real

| 2 Comentários
David Catarino deu hoje uma entrevista ao Rádio Clube sobre o novo aeroporto regional. Poderão ouvi-la aqui [+/- 1 min].


Decorreu no passado dia 14 de Setembro em Marco de Canaveses a Vª PROVA CIDADE MARCO DE CANAVESES - CIRCUITO NACIONAL DE ESCALADA DE DIFICULDADE DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MONTANHISMO E ESCALADA , que contou com inúmeros atletas de todo o país e com uma forte afluência das camadas jovens. A competição foi renhida e 3 dos seniores masculinos, entre eles o oureense Ricardo Neves, acabaram por empatar, tendo ambos encadeado a via das finais.

O primeiro lugar faz assim com que tenha um total de 100 pontos no ranking nacional. Deste modo só lhe resta esperar pela próxima e fazer o mesmo feito.

A próxima prova é já no próximo Sábado dia 27 em Soure, esta de escalada de bloco, e, como é claro, estão todos convidados a assistir e apoiar o Ricardo.

INSCRIÇÕES ABERTAS!

| Sem Comentários


Estão abertas as inscrições para o novo ano Escutista no Agrupamento 977-Ourém.

Para os dos 6 aos 66 anos de idade, nos Sábados dias 27 de Setembro e 4 de Outubro, entre as 14h30 e as 17 horas, na sede do Agrupamento.

Sérgio Ribeiro, 50 Anos de Economia e Militância

| Sem Comentários
S%C3%A9rgio%20Ribeiro%2C%2050%20Anos%20de%20Economia%20e%20Milit%C3%A2ncia.jpg
Hoje, ao fim da tarde, entrando pelo princípio da noite, no outrora espaço da Som da Tinta, o programa será o seguinte:
18.30 – abertura de portas, convívio
19.00 – intervenção sobre a livraria e editora Som da Tinta
19.20 – apresentação do último livro de Sérgio Ribeiro, 50 Anos de Economia e Militância
20.15 – animação pelo Grupo de Teatro Apollo, com adaptação de um conto de Luandino Vieira, seguida de surpresa

Tribunal corrige erro grosseiro de licenciamento

| 4 Comentários
É anedótico, mas não deixa de ser verdade. A cidade de Ourém tem um Plano de Pormenor que não respeita a carta de condicionantes do PDM e tem ainda uma Câmara que, ao licenciar um prédio de cinco pisos em Reserva Ecológica Nacional (REN), vai contra a hierarquia dos instrumentos de gestão territorial, onde o Plano Director Municipal (PDM) prevalece. Não ouve área de negócio da autarquia(*) que valesse para entender aquilo que parece ser o essencial no licenciamento. Que o recente puxão de orelhas por parte do TAF de Leiria seja só por si suficiente para aprenderem a lição.

*Ourém em Revista, n.º 26, Agosto.2008, p. 13.

No passado sábado pelas 18h houve provas equestres na Golegã. Sendo esta a quinta prova a contar para o campeonato de gincana/cavalhadas, a AERF participou neste concurso com 11 cavaleiros. Nestas provas participaram 29 conjuntos sendo 10 da classe B (+ 15 anos) e 19 conjuntos na classe A (até 14 anos).

Na classe B a Associação Equestre de Fátima participou com 3 cavaleiros tendo obtido um 6º lugar com Luís Ferreira, um 9º Lugar com Margarida Gonçalves e o 10º lugar com Joaquim Carapinha.

Na classe A, a AERF concorreu com 8 conjuntos tendo obtido as seguintes classificações; 3º Cátia Mendes, 7º Miguel Oliveira, 8º Rita Pereira, 10º Ricardo Costa, 12º Ruben Silva, 15º Joana Mendes, 16º Helena Mendes e 18º Beatriz Lopes.

A 18 de Outubro de 2008 pelas 10h haverá provas na sede da Associação Equestre de Fátima. As entradas são livres e contamos com a presença do público Ouriense/Fatimense.

09-08%2C003.jpg09-08%2C051.jpg

Sector resineiro... será o regresso?

| 1 Comentário

Fogo em Ourém e Tomar

| Sem Comentários

Sobre o fogo de grandes dimensões que fustigou Porto Velho, Formigais e extendeu-se pela Sabacheira, concelho de Tomar, suspeita-se de fogo posto, por uma criança de 11 anos. Como é possivel?

Veolia III

| Sem Comentários

Depois de um plano de desinvestimentos e de uma tarifa de disponibilidade, ficamos a saber quanto custa a água do concelho comparativamente aos concelhos do distrito de Leiria.

Feira de Santa Iria

| Sem Comentários

feira-sta-iria.jpg

Como é tradicional, vai realizar-se mais uma Feira de Santa Iria, a decorrer entre 25 de Outubro e 2 de Novembro de 2008, na zona de feiras e mercados.
O Centro de Negócios, como local privilegiado, vai levar a efeito, nos seus Pavilhões de Exposições e áreas adjacentes, exposições diversas integradas no certame, nos dias 25 e 26 de Outubro. Em simultâneo, funcionará um espaço reservado ao serviço de restauração.
Este evento, associado aos longos anos da Feira de Santa Iria, tem o objectivo de promover o tecido empresarial, como um espaço de promoção e divulgação de produtos e serviços.
Convidamos V.Exa.(s) a associar-se à realização deste evento, alugando um espaço de exposição, ou visitando a feira.
Agradecendo a sua participação fazemos votos para que este evento/feira seja do seu interesse.

Para mais informações contacte:

Centro de Negócios de Ourém, Lda.
Rua Melvin Jones, 1
2490-535 Ourém
Telef.: 249 540 470
Fax: 249 540 479
[email protected]

Civismo em Megapixel

| 3 Comentários


Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, Ourém.

Negócios de todo o mundo, uni-vos

| Sem Comentários
Corações ao alto, porque as palavras seguintes são tão bonitas quão eloquentes: "o my net não é mais do que uma plataforma de agregação de serviços transversal a todas as áreas de negócio da autarquia" (*). Estas palavras, «todas as áreas de negócio da autarquia», estão estampadas assim, exactamente assim, sob a efígie de David Catarino, numa publicação municipal cujo director é um vereador, Humberto Piedade, e o director-adjunto é o director do departamento de educação, cultura e acção social, Mário Catarino. Perante isto, poderia perguntar-se se esta gente sabe o que raio é uma autarquia local. Mas seria perda de tempo. A resposta já está dada. E por escrito.
__________
(*) Ourém em Revista, n.º 26, Agosto.2008, p. 13.

Ai, tão em [email protected]

| 1 Comentário
Ourém em Revista é uma publicação municipal. A edição do mês de Agosto tem uma secção dedicada às novas tecnologias, com o intuito de dar informação sobre a aposta do município de Ourém nesse domínio, "sempre com o objectivo de melhorar a qualidade de vida dos seus munícipes" (*). Muito bem. O curioso é que se alguém pretender ler a referida publicação online não consegue. Não faz mal. Compreende-se. Permitir isso obriga a uma empreitada muito difícil e exigente. Seja como for, é certo, no seu afã costumeiro a malta lá da casa amarelo Simpson continua a envidar todos os esforços para poder dar mais esse pulo. O negócio, todo novos horizontes, não pode parar.
__________
(*) Ourém em Revista, n.º 26, Agosto.2008, p. 12.

Nova loja "Momentos"

| 1 Comentário

A pedido da Elisabete Pedro:

Ainda que me digam “és louca”, ainda que o mercado esteja negro, ainda que a crise económica não favoreça em nada a minha actividade, ainda que seja uma luta diária, vou para a frente com a concretização de um sonho antigo, meu. Vou abrir uma loja, mais ou menos no centro da cidade, mais ou menos visível. Fica ali, na esquina do Alfa, mesmo ao lado da Caixa Agrícola, virada para a frente das obras do núcleo museológico, (que espero estejam para terminar!), ali ao lado do lar de idosos. É pequena, azul como o céu, como o mar. É a realização de muitos momentos meus e espero que seja também a realização de momentos de outros. Lá estarei no sábado para a inauguração do meu espaço e lá continuarei à espera de quem me quiser visitar. On-line, Momentos Shop!


De fora

| Sem Comentários

Quem é de fora e ouve falar de Ourém, é sobre Fátima, incêndios ou desgraças.

No dia 31 de Agosto os cavaleiros da AERF deslocaram-se à Golegã com o propósito de participarem nas provas organizadas pela Associação Nacional de turismo Equestre. No escalão A participaram 21 conjuntos, tendo os cavaleiros da AERF obtido as seguintes classificações: 2º Miguel Oliveira, 4º Ricardo costa, 5º Joana Mendes, 7º Ruben Silva, 8º Rita Pereira, 12º Cátia Mendes, 14º Chamsi Acheri, 16º Beatriz Lopes e 17º Helena Mendes. Dia 13 de Setembro a AERF voltará à Golegã para participar nas provas, desta feita incluídas no festival da gastronomia da Golegã.

Tudo a seu tempo

| 1 Comentário

Não fomos de férias nem desaparecemos. É mesmo falta de tempo.

Actividade

Comentários Recentes

Mais Comentados

Arquivos

Flickr

Flickriver
Powered by Movable Type 4.38